sexta-feira, 4 de maio de 2012

Alô Francisco Salzano, Sergio Pena et al: o Darwinismo já deu o que tinha de dar


Posted: 26 Apr 2012 09:49 AM PDT

Artigo com revisão por pares conclui: o Darwinismo já deu o que tinha de dar

Jonathan M., 6 de fevereiro de 2012 2:23 PM 

Um artigo interessante foi publicado recentemente por David Depew e Bruce Weber no periódico científico Biological Theory. O artigo tem o título "The Fate of Darwinism: Evolution After the Modern Synthesis." [O destino do Darwinismo: a evolução após a Síntese Moderna]

O abstract resume o conteúdo do artigo:



Este artigo é interessante em pelo menos dois aspectos. O primeiro, é o uso curioso da palavra "Darwinismo" para descrever a Síntese Evolucionária Moderna. Frequentemente é afirmado pelos nossos críticos que "Darwinismo" é um termo pejorativo inventado pelos criacionistas e proponentes do Design Inteligente é uma forma de escárnio. O termo, contudo, é amplamente usado na literatura científica predominante – se bem que nem sempre em uma maneira consistente. Os autores definem "Darwinismo" assim:

Darwinismo refere-se à explicação causal da evolução de seu autor – seleção natural – e para as teorias nas quais este processo desempenha o papel dominante na evolução, inclusive a evolução humana.

O segundo ponto de interesse é a afirmação no artigo de que o "Darwinismo, na sua atual encarnação, já deu o que tinha de dar." Além disso, como os autores argumentam,

“...em grande parte isso é devido porque o lamarckismo, o saltacionismo, (súbito) mutacionismo, e a ortogênese internamente dirigida, só para nomear as tradições alternativas mais duradouras na biologia evolucionária, que não tiveram êxito de se tornar ciências empíricas matematizadas com pelo menos um ponto de apoio de neutralidade de valor que o Darwinismo ainda canta no poleiro evolucionário.”

Os autores são cuidadosos em distinguir entre o "Darwinismo genético" e o "Darwinismo como tal." Curiosamente, o ponto principal que eles criticam o livro What Darwin Got Wrong  [O que Darwin entendeu errado] de Jerry Fodor e Massimo Piattelli-Palmarini não se relaciona a uma alegada falha nos argumentos deles, mas antes, tem a ver com a falha deles em distinguir entre o "Darwinismo genético" e o "Darwinism como tal." Eles relembram e reafirmam aos seus leitores que,

“no passado, versões melhoradas do Darwinismo tomaram o lugar de versões inadequadas e aquela nova versão – um Darwinismo do futuro – pode bem desalojar o Darwinismo de população genética sem fim, mas em vez disso, enriquecer o Darwinismo como tal.”



O artigo continua fornecendo uma retrospectiva histórica dos desenvolvimentos do "Darwinismo genético," descrevendo-o como uma peça em cinco atos. Eles são:

Ato 1: A seleção natural contra a mutação.


Ato 2: A mutação mais a seleção natural.



Ato 3: A Síntese Moderna.



Ato 4: Darwinismo Molecular.



Ato 5: O Fim do Darwinismo de Genética Populacional.



Notavelmente, os autores do artigo parecem partilhar da opinião sobre o genoma que os proponentes do Design Inteligente vêm defendendo há anos: "Provavelmente existe muito pouco 'DNA lixo.' Todo o genoma, inclusive suas frequentes repetições, desempenham um papel na regulação da expressão de gene." Para apoiar isso, eles citam um artigo de 2011 por Pink et al. ("Pseudogenes: Pseudo-functional or key regulators in health and disease?").

Ao contrário da asserção frequentemente repetida do lobby de Darwin de que não existe absolutamente nenhuma fraqueza na teoria darwinista, o artigo oferece a concessão de que a Síntese Moderna nunca forneceu um relato de "como as principais formas de vida evoluíram" – uma omissão que não é importante, para se dizer o mínimo.
Apesar de tudo isso, os autores estão confiantes que uma nova teoria geral e quadro conceitual de evolução estão prestes a aparecer, e que isso irá dar conta onde as atuais formulações evolucionárias falham. Mas isso é mera especulação.
O lobby de Darwin, sem dúvida, continuará a fazer sua afirmação rotineira de que nenhum cientista de credibilidade vê quaisquer problemas substanciais com a teoria evolucionária moderna. Todavia, tal posição está se tornando cada vez mais difícil de se sustentar.

Source/Fonte: ENV

"Chega de Darwinismo como genética reducionista."

"O efeito sobre o Darwinismo de genética populacional da genética molecular começando nos anos 1950s e 1960s."

"A teoria da seleção natural na genética populacional... se tornou a base da Síntese Evolutiva Moderna dos anos 1940s-1960s."

"Uma posição intermediária que pode ser justamente chamada de Darwinista se tornou popular nas primeiras três décadas do século 20. Ela atribuiu o papel criativo na evolução a mutações súbitas. Para a seleção natural, ela somente atribuiu o trabalho doméstico de filtrar as mutações inaptas."

"A validação da seleção natural adaptativa como um fenômeno natural real começando nos anos 1880s."

Nós traçamos a história da Síntese Evolucionária Moderna, e do Darwinismo genético, geralmente, com uma visão de demonstrar por que, mesmo em suas versões atuais, não pode mais servir como uma estrutura referencial geral para a teoria evolucionária. A razão principal é empírica. O Darwinismo genético não pode acomodar o papel de desenvolvimento (e dos genes no desenvolvimento) em muitos processos evolucionários. Nós podemos continuar discutindo duas questões conceituais: se a seleção natural pode ser o "fator criativo" em uma nova estrutura referencial, mais geral para se teorizar evolucionário; e se em tal estrutura referencial os organismos devem ser concebidos como sistemas auto-organizantes incorporados em sistemas ecológicos auto-organizadores.


Posted: 26 Apr 2012 09:49 AM PDT

Artigo com revisão por pares conclui: o Darwinismo já deu o que tinha de dar

Jonathan M., 6 de fevereiro de 2012 2:23 PM 

Um artigo interessante foi publicado recentemente por David Depew e Bruce Weber no periódico científico Biological Theory. O artigo tem o título "The Fate of Darwinism: Evolution After the Modern Synthesis." [O destino do Darwinismo: a evolução após a Síntese Moderna]

O abstract resume o conteúdo do artigo:



Este artigo é interessante em pelo menos dois aspectos. O primeiro, é o uso curioso da palavra "Darwinismo" para descrever a Síntese Evolucionária Moderna. Frequentemente é afirmado pelos nossos críticos que "Darwinismo" é um termo pejorativo inventado pelos criacionistas e proponentes do Design Inteligente é uma forma de escárnio. O termo, contudo, é amplamente usado na literatura científica predominante – se bem que nem sempre em uma maneira consistente. Os autores definem "Darwinismo" assim:

Darwinismo refere-se à explicação causal da evolução de seu autor – seleção natural – e para as teorias nas quais este processo desempenha o papel dominante na evolução, inclusive a evolução humana.

O segundo ponto de interesse é a afirmação no artigo de que o "Darwinismo, na sua atual encarnação, já deu o que tinha de dar." Além disso, como os autores argumentam,

“...em grande parte isso é devido porque o lamarckismo, o saltacionismo, (súbito) mutacionismo, e a ortogênese internamente dirigida, só para nomear as tradições alternativas mais duradouras na biologia evolucionária, que não tiveram êxito de se tornar ciências empíricas matematizadas com pelo menos um ponto de apoio de neutralidade de valor que o Darwinismo ainda canta no poleiro evolucionário.”

Os autores são cuidadosos em distinguir entre o "Darwinismo genético" e o "Darwinismo como tal." Curiosamente, o ponto principal que eles criticam o livro What Darwin Got Wrong  [O que Darwin entendeu errado] de Jerry Fodor e Massimo Piattelli-Palmarini não se relaciona a uma alegada falha nos argumentos deles, mas antes, tem a ver com a falha deles em distinguir entre o "Darwinismo genético" e o "Darwinism como tal." Eles relembram e reafirmam aos seus leitores que,

“no passado, versões melhoradas do Darwinismo tomaram o lugar de versões inadequadas e aquela nova versão – um Darwinismo do futuro – pode bem desalojar o Darwinismo de população genética sem fim, mas em vez disso, enriquecer o Darwinismo como tal.”



O artigo continua fornecendo uma retrospectiva histórica dos desenvolvimentos do "Darwinismo genético," descrevendo-o como uma peça em cinco atos. Eles são:

Ato 1: A seleção natural contra a mutação.


Ato 2: A mutação mais a seleção natural.



Ato 3: A Síntese Moderna.



Ato 4: Darwinismo Molecular.



Ato 5: O Fim do Darwinismo de Genética Populacional.



Notavelmente, os autores do artigo parecem partilhar da opinião sobre o genoma que os proponentes do Design Inteligente vêm defendendo há anos: "Provavelmente existe muito pouco 'DNA lixo.' Todo o genoma, inclusive suas frequentes repetições, desempenham um papel na regulação da expressão de gene." Para apoiar isso, eles citam um artigo de 2011 por Pink et al. ("Pseudogenes: Pseudo-functional or key regulators in health and disease?").

Ao contrário da asserção frequentemente repetida do lobby de Darwin de que não existe absolutamente nenhuma fraqueza na teoria darwinista, o artigo oferece a concessão de que a Síntese Moderna nunca forneceu um relato de "como as principais formas de vida evoluíram" – uma omissão que não é importante, para se dizer o mínimo.
Apesar de tudo isso, os autores estão confiantes que uma nova teoria geral e quadro conceitual de evolução estão prestes a aparecer, e que isso irá dar conta onde as atuais formulações evolucionárias falham. Mas isso é mera especulação.
O lobby de Darwin, sem dúvida, continuará a fazer sua afirmação rotineira de que nenhum cientista de credibilidade vê quaisquer problemas substanciais com a teoria evolucionária moderna. Todavia, tal posição está se tornando cada vez mais difícil de se sustentar.

Source/Fonte: ENV

"Chega de Darwinismo como genética reducionista."

"O efeito sobre o Darwinismo de genética populacional da genética molecular começando nos anos 1950s e 1960s."

"A teoria da seleção natural na genética populacional... se tornou a base da Síntese Evolutiva Moderna dos anos 1940s-1960s."

"Uma posição intermediária que pode ser justamente chamada de Darwinista se tornou popular nas primeiras três décadas do século 20. Ela atribuiu o papel criativo na evolução a mutações súbitas. Para a seleção natural, ela somente atribuiu o trabalho doméstico de filtrar as mutações inaptas."

"A validação da seleção natural adaptativa como um fenômeno natural real começando nos anos 1880s."

Nós traçamos a história da Síntese Evolucionária Moderna, e do Darwinismo genético, geralmente, com uma visão de demonstrar por que, mesmo em suas versões atuais, não pode mais servir como uma estrutura referencial geral para a teoria evolucionária. A razão principal é empírica. O Darwinismo genético não pode acomodar o papel de desenvolvimento (e dos genes no desenvolvimento) em muitos processos evolucionários. Nós podemos continuar discutindo duas questões conceituais: se a seleção natural pode ser o "fator criativo" em uma nova estrutura referencial, mais geral para se teorizar evolucionário; e se em tal estrutura referencial os organismos devem ser concebidos como sistemas auto-organizantes incorporados em sistemas ecológicos auto-organizadores.



 
Divulgação:

http://cultura-calvinista.blogspot.com/

http://metodologiadoestudo.blogspot.com

http://direitoreformacional.blogspot.com

http://biologiareformacional.blogspot.com 

Nenhum comentário:

Postar um comentário